Edson Quesada

DSC041371

IDENTIFICAÇÃO PESSOAL

NOME: EDSON LUIZ QUESADA CORREIA

QUALIFICAÇÃO & EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

Músico e professor de percussão e, após ter viajado durante 15 anos por diferentes países latino-americanos, adquiriu o conhecimento dos diversos estilos desta cultura musical (música andina).
No Peru, pesquisou e tocou vários ritmos daquele país, principalmente da parte afro-peruana, conhecida como Música Crioula, que é tocada com o Cajón, instrumento típico da região.
Na Colômbia, pesquisou e tocou vários ritmos folclóricos do Atlântico e Pacífico. Na capital, Bogotá, estudou e tocou com diversos músicos caribenhos, cubanos, porto-riquenhos, dominicanos, haitianos, venezuelanos e outros.
Após estes estudos e anos de convivência musical, compôs um método para músicos leitores e não-leitores, utilizando instrumentos de percussão de diferentes países. Possui os seguintes trabalhos já editados e disponíveis no mercado:
• Vídeo-Aula: Pandeiro básico e suas variações;
• Vídeo-Aula: 60 ritmos para tumbadoras – volumes 1, 2 e 3, contendo 10 ritmos cada;
• Vídeo-Aula: Timbales e suas variações, com acompanhamento em tumbadoras;
• Vídeo-Aula: Tambora Dominicana – variações para o Merengue, com acompanhamento em tumbadoras;
• Vídeo-Aula: Percussão Brasileira – ritmos baianos;
• Vídeo-Aula: Escola de Samba e seus instrumentos;
• Vídeo-Aula: 15 Variações para Samba em Tumbadoras;
• Vídeo-Aula: Samba de mesa (Pagode); e
• Vídeo-Aula: Bateria de Escola de Samba para principiantes.

REFERÊNCIA PROFISSIONAL

• CEP/Escola de Música de Brasília: Professor de percussão popular latino-americana em cursos pontuais (de 2005 a 2010), formando mais de 1.200 alunos em diferentes instrumentos de percussão;
• CEP/Escola de Música de Brasília: Professor de percussão popular latino-americana nos 28°, 29°, 30º, 31º, 32° e 33° Cursos de Verão e no 1° Curso de Inverno/2007, destinados a profissionais da música nacional e internacional;
• CEP/Escola de Música de Brasília: Participação, como preletor, da Oficina “Percussão e Ritmos Brasileiros” para professores desta instituição, durante o X Ciclo de Conferência sobre Educação Profissional Aplicada;
• Faculdade de Música do Espírito Santo – FAMES: Participação, como preletor, da Oficina Didática da Percussão e Master Class no Primeiro Fórum Internacional de Didática Musical;
• Feira de Música Capixaba: Participação, como preletor, da Oficina de Percussão Brasileira;
• Projeto PRO-GENTE (ONG): Preparação de percussionistas em áreas carentes;
• Projeto Segunto Tempo da Secretaria de Esportes, constituído de aulas de percussão para 100 alunos da rede pública de diferentes comunidades de Salvador , no Grupamento de Fuzileiros Navais de Salvador.

• Idealizador do 1º Encontro de Bateristas e Percussionistas populares e eruditos;
• Universidade Federal do Mato Grosso – UFMT: Participação, como preletor, na Oficina de Percussão Popular;
• Universidade Federal da Bahia – UFBA: Participação, como preletor, nas Oficinas dos Cursos de Extensão – Ritmos Latinos (Caribe);
• Oficina de percussão na Escola do Olodum;
• Aulas de percussão formação de grupo e direção para terceira idade, no Centro de Convivência do Idoso do Hospital Naval de Salvador; e
• Oficina de percussão para portadores de deficiência, em diferentes áreas, Clube Naval de Salvador.

OBJETIVO GERAL

Trata-se de um curso de capacitação técnica e rítmica para diferentes áreas da música popular internacional que aonde o aluno estará se preparando para o mercado da música universal.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Divulgar e ensinar técnicas e ritmos de países como Brasil, Cuba, Colômbia, República Dominicana, Puerto Rico, Haiti, Peru, ritmos andinos, fazendo uma tradução destes ritmos folclóricos de cada região e de cada país para bandas, grupos e orquestras, dentro de cada ritmo, e suas origens folclórica e popular, dando assim maior capacidade ao músico percussionista de ampliar o seu nível profissional.

PÚBLICO ALVO

Este curso destina-se a qualquer pessoa que goste de música, independente de idade, sexo, se é leigo ou conhecedor de música.

MATERIAL INSTRUCIONAL NECESSÁRIO

1°) Percussão Brasil: Ritmos brasileiros – aproximadamente 50 variações.

a) Instrumentos utilizados para o Samba e seus derivados:

 Caixa ou Tarol;
 Pandeiro;
 Tamborim;
 Frigideira;
 Agogô;
 Ganzá;
 Chocalho/ Roncar;
 Cuíca;
 Repinique (Repique, Bacurinha);
 Surdo Marcação;
 Surdo Resposta;
 Surdo Cortador (centro);
 Congas; e
 Atabaque

b) Instrumentos utilizados para o Pagode e seus derivados :

 Repinique de mão ou Anel;
 Tamtam de corte (Rebolo);
 Tamtam de Marcação;
 Pandeiro;
 Cabaça ou Afuchê; e
 Surdo e suas variações.
.
c) Instrumentos utilizados no Forró ( o nome da festa ) e seus derivados:

 Zabumba;
 Pandeiro;
 Triângulo;
 Agogô; e
 Chocalho
 ou Ganzá.

d) Instrumentos utilizados no Maracatu:

 Alfaia Repique;
 Alfaia Meião;
 Alfaia Marcante;
 Tarol;
 Gongê;
 Agogô;
 Abê Agudo;
 Abê Médio; e
 Abê Grave.

e) Instrumentos utilizados nos Ritmos Baianos e seus derivados:

 Surdos;
 Bacurinho ou Repinique;
 Caixa ou Tarol;
 Timbal;
 Djembe; e
 Tumbadoras e suas variações

f) Instrumentos utilizados nos Ritmos Afro-Brasileiros (Ritmos de Angola) e seus derivados:

 Rum: Tambor grave;
 Rumpi: Tambor médio; ORUBATÁ
 Le: Tambor menor;
 Xequerê;
 Agogô; e
 Gam.

2°)Ritmos Andinos (Música Surenha)

– Instrumentos:
 Bumbo Leguero; e
 Unhas de Cabra.

3°) Música Peruana:

– Instrumentos:
 Cajón;

4°) Colômbia:

– Instrumentos:

 Tambora;
 Tambor Alegre;
 Tambor Chamador;
 Guacho;
 Maração;
 Tumbadoras;
 Timbales; e
 Baterias

5°) Caribe, abrangendo Cuba, República Dominicana, Puerto Rico, Haiti, etc.

– Instrumentos:

 Tumbadoras;
 Bongos;
 Claves;
 Timbales;
 Guiro;
 Maracás;
 Tambora Dominicana;
 Guira Dominicana;
 Xequerê;
 Batas;
 Djembe

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

1°) Percussão Brasil: Ritmos brasileiros – aproximadamente 50 variações.

a) Samba e seus derivados:

 Escola de Samba;
 Samba Rural;
 Partido Alto e outras variações;
 Samba de Roda;
 Samba de Partido Alto;
 Samba Duro;
 Samba de Angola;
 Samba Afro; e
 Samba Funk

b) Pandeiro sem limites com sua respectiva técnica:

 Samba;
 Choro;
 Samba-Choro;
 Samba de Partido Alto;
 Samba-Canção;
 Bossa Nova;
 Samba-Afro;
 Baião;
 Frevo;
 Xote;
 Galope;
 Maracatu;
 Funk e suas variações;
 Samba de Angola;
 Variações de 6×8;
 Coco e suas variações;
 Xaxado;
 Vaneira;
 Vaneirão;
 Embolada;
 Maxixe;
 Samba Funk;
 Varições de 3×4 e 6×8;
 Tradução dos ritmos afro-brasileiros para pandeiro; e
 Variações e técnicas rítmicas para improvisações

c) Pagode
(Samba de Mesa)

d) Forró ( o nome da festa ):

 Baião;
 Xaxado e suas variações;
 Frevinho;
 Frevo;
 Coco;
 Ciranda;
 Xote;
 Embolada;
 Galope;
 Rasta-pé e outros

e) Maracatu e seus baques:

 Baque de Impulso;
 Baque de Arrasto;
 Baque de Marcação;
 Baque Trovão;
 Baque de Parada;
 Baque Martelo;
 Baque Virado;
 Maracatu Estlizado e Orquestra

f) Ritmos Baianos:

 Reggae;
 Samba Reggae e suas variações;
 Samba Duro;
 Derivados da chave de Rumba 3×2;
 Suingueira / Pagodão;
 Samba de Angola;
 Introdução da percussão afro-caribe dentro destes ritmos. Exemplo tambora dominicana, tumbadoras, djembes. E fazendo trabalho de polirritimia com os seguintes instrumentos tocados ao mesmo tempo: três surdos na mão direita, caixa ou repique na mão esquerda, pé direito bumbo, pé esquerdo hit-hat ou cowbell; e
 Variação de Clave de Rumba.

2°)Ritmos Andinos (Música Surenha)

 Carnavalito;
 Zamba;
 Chacarera;
 Chamame;
 Vaneira; e
 Vaneirão.

3°) Música Peruana:

 Festejo;
 Lando;
 Valsa; e
 Marineira.

4°) Colômbia:

 Cumbia;
 Porro;
 Chande;
 Bullerngue;
 Cumbion;
 Mapalé;
 Gaita;
 Cumbia Madalena;
 Pajarito;
 Som Corrido (San jacinto Bolivar);
 Farota ( San Jacinto Bolivar);
 Som Palenque ( San Basílio de Palenque, Bolivar);
 Puya (Atlântico); e
 Curulao

5º) Rítmos de Angola (Toques de Angola):

 Igexá;
 Arrebate;
 Barra-vento;
 Alojá;
 Congo de ouro;
 Congo de Caboclo;
 Cabula;
 Samba-Cabula;
 Aquerê;
 Congo Nagô;
 Quebra-Prato;
 Bravum;
 Ilú;
 Iká;
 Sato;
 Opanijé;
 Adarrum;
 Vaninha;
 Capoeira;
 Quendá;
 Maculelê 1 e 2; e
 Samba de roda.

6°) Caribe, abrangendo Cuba, República Dominicana, Puerto Rico, Haiti, etc.

 Salsa;
 Guajira;
 Songos e suas variações;
 Acavalo com 1 e duas tumbadoras;
 Azucares 1-2-3;
 Guaguanco rumba/matanza;
 Plena;
 Bomba;
 Charanga;
 Oriza;
 Calipso;
 Caribenho;
 Rala-Rala;
 Mozambique;
 Pilão;
 Jibaro;
 Pachanga;
 Variações de 6×8;
 Merengue Alomaco;
 Merengue Bomba;
 Merengue Direto;
 Pamblique;
 Raleo;
 Reggae e suas variações.

Estes ritmos latinos são trabalhados também dentro do conceito da polirritimia e independência, por exemplo: bumbo e timbales; tumbadoras, cowbell, bumbo e clave; tambora dominicana, bumbo, hit-hat e caixa, expondo, assim, a versatilidade do profissional na execução de vários instrumentos tocados ao mesmo tempo.
Alguns destes ritmos são tocados com uma, duas, três ou mais tumbadoras. São ritmos folclóricos de diferentes países sul-americanos tocados com um, dois, três ou mais percussionistas traduzidos para grupos, bandas e orquestras.
Inclui-se neste projeto a aplicação do ensino de técnica rítmica de tumbadoras com bateria, em ritmos latinos, rock latino, pop, funk e suas variações, baladas, free jazz, dance entre outros.

Brasília/DF, em agosto de 2014.

EDSON QUESADA
61-8281-2085
Edson.quesada@hotmail.com

Liverpool 2016.

Desenvolvimento GETCON.